21.10.15

it's a serious D I V O R C E, ok?



Há muito que tinha um "sonho" - materialista, reconheço - de ter um iPhone. O que é contraditório, visto que não sou o tipo de pessoa que liga a x artigo por ser da marca y. Não sou, é um facto. E quem me conhece de ginja sabe-o. Eu apaixono-me pelas coisas. E quando a paixão é grande e o orçamento suporta, eu penso nelas... durante muito tempo mesmo. E foi o que aconteceu com este telemóvel. Pensei nele durante muito tempo até começar a dizer o que sentia por ele, em voz alta, aos bocadinhos, porque sabia que alguém me iria ouvir e pensar nele também, um dia. 

Até que chegou o dia. Chegou o dia em que deixou de ser miragem e me chegou embrulhado. Perfeito, pensei eu. A cor certa, na altura certa e para a miúda certa. Amor à primeira vista, portanto.

(vejam AQUI a minha primeira referência sobre ele, no She)



Há que reconhecer que nenhuma relação é infalível. E esta não foi exceção. Os problemas começaram cedo, ainda que tentasse tapar as feridas, porque Ah e tal tinha uma boa câmara, volta e meia e podia ter as capas mais originais de sempre (e já tenho uma coleção jeitosa) porque o mundo é da Apple e mais umas quantas desculpas do design que não me faziam ver, na realidade, o quão limitado ele era.


Aqui vão as 10 coisas que odeio em ti, iPhone:


1. O toque. É sempre o mesmo. Seja para eu acordar antes do Sol, seja para atender uma chamada, é sempre a mesma cantiga irritante que me entra no ouvido. E o pior? O pior é quando estou em qualquer lado e: a) um iPhone toca e toda a gente (eu inclusive) fica a pensar se será o seu b) o som dele é tão mas tão irritante que chego a imaginá-lo na minha cabeça, a ter ilusões sérias de que o telemóvel está a tocar. Grave, portanto.



2. A memória. Na altura, quem mo ofereceu sabia exatamente que eu precisava deste ponto. Como dá para perceber, a fotografia ocupa um espaço enorme na minha vida e eu preciso dela, diariamente. 
Já nem falo no facto de termos que carregar a nossa música pelo iTunes no próprio pc (derivado do facto deste não possuir cartão de memória, nem funcionar com a transferência por USB ou mesmo por bluetooth a que eu estava TÃO habituada.) Com este telemóvel, que já possui 64 GB de memória, recebo demasiados avisos diários de falta de memória e de ofertas de upgrade de espaço na iCloud. Eu não quero nada disso. Chateia. Quero que ele coopere e me dê liberdade para os flashes, só isso. À conta disto, todos os dias tenho que lhe fazer uma limpeza geral. Onde está o SMART, nestas alturas? Ah?! 



3. O medo. Não confio em ti e no teu vidrinho fininho, iPhone. Sabes porquê? Vi demasiadas fotos tuas em que isso não acabou bem e vivo aterrorizada que te aconteça o mesmo. As esplanadas são perigo. A almofada lá do sofá de casa também. Até a minha mala constitui ameaça quando está aberta. Sinto esta preocupação ridícula em manter-te em sítios seguros.



4. A partilha. Pergunto-me constantemente porque não posso enviar uma simples foto a partir da galeria diretamente para o programa de edição que uso. Haverá assim tanta dificuldade em corrigir este simples passo?



5. Não ando a desfilar contigo na rua. Primeiro, porque és demasiado tentador. Segundo, porque tenho medo que te partas todo (mais uma vez! este síndrome devia ter nome)



6. A bateria. Eu sei que vivemos num mundo em que o Wi-Fi suga imensa energia dos nossos smartphones, mas vá lá Apple? Ter que andar com o meu carregador atrás de mim não é uma rotina feliz. Para já não falar na má qualidade do cabo do carregador, que por mais bebé que o meu seja, já leva uns entortamentos (que nunca aconteceria num carregador da samsung, por exemplo). São coisas mínimas, mas a verdade é que uma peça tão cara deveria vir melhor acompanhada, com equipamentos que fossem realmente de boa qualidade.



7. APPS pagas. Desta eu já sabia antes de o adquirir, mas custa à mesma vermos apps gratuitas para utlizadores do sistema Android e depois desta minha simples transição para a Apple (por sua vez, bem mais dispendiosa) ver-me obrigada a comprar apps que me eram essenciais.



8. A epidemia. Principalmente aqui em Lisboa, se olharem para a mesa do lado, vão ficar pasmados com a quantidade de maçãzinhas que por lá detetam. Isso é uma coisa que me irrita. Talvez alguns de vocês não me vão compreender, mas desde pequenina que tenho esta coisa muito minha de começar a achar as coisas menos valiosas quando sinto que toda a gente as possui. Perde o efeito especial. Eu sei que se trata de um simples telemóvel, ainda assim detesto sentir-me a seguir a manada. 

9. O problema da edição de texto. Talvez isto seja difícil de explicar mas imaginem que eu queria apagar aquele segundo P de HAPPY na imagem acima. Com o iPhone, isso ainda é bem complicado. E porquê? Porque o ponteiro do teclado não vai a letras intermédias, ou é no início da palavra que edita ou no fim. Sim ou sopas. Esta é daquelas que me irrita mesmo, por ser tão básica.



10. A eliminação de páginas secundárias. No sistema Android, há um atalho muito simples no teclado que nos abre um monte de separadores e nos permite fechá-los. Todos de uma vez! Parece mágico, não é? Agora, com o iPhone, tenho que os apagar um a um, página por página. Não tenho vida para isto, estou a tentar sobreviver à faculdade, ok..?






Finalizo dizendo que não quero com esta lista descurar todo o esforço que os meus pais fizeram para me oferecer este belo sonho. De todo. Eu reconheço-o e valorizo-o, eles sabem. No entanto, nenhuma má relação deve ser suportada por muito tempo, não é verdade?! Por isso vou fazer muito para que haja um divórcio o mais rapidamente possível entre mim e este miúdo. Gosto de dar utilidade às coisas e acarinhá-las da melhor forma. E isso não tem acontecido. Sou o testemunho verídico de que eu e a Apple não funcionaremos, nunca.



E vocês? Opiniões acerca desta minha reviravolta contra as Maçãs? Tenho apoiantes?

13 comentários:

  1. Concordo com tudo o que disses-te, apesar de não ter Iphone já mexi nos dos meus primos e não achei piada nenhuma por causa de algumas coisas que referis-te. Contudo, achei piada ao facto de referires que com os carregadores da Samsung isso não acontece: não é verdade. O meu bebé é um Samsung s4 mini e o carregador dele não tem 1 ano e já foi pra reforma de estar tão roto. Tenho mesmo pena! Mas pronto. Concluindo: não o troco por nada. Nem por um Iphone7 ou 8.

    ResponderEliminar
  2. Eu estou contigo no que diz respeito ao toque, porque apesar de dar para alterar, toooda a gente usa o mesmo toque e torna-se irritante quando se está num sítio público porque, como tu disseste, um iPhone já se tornou vulgar. E também o medo de lhe partir o ecrã todo, já vi iPhones demasiado destruídos para poder pensar que aconteça o mesmo ao meu.

    ResponderEliminar
  3. Entendo-te, nunca achei piada a esses telemóveis sinceramente, pode ser que consigas" livrar-te" dele rapidamente hehe

    ResponderEliminar
  4. o meu pai e o meu irmão adoram a apple! eu não, nunca gostei. principalmente quando comecei a lidar mais com a marca com os iphones deles. tenho um samsung e adoro! claro que também tem falhas, mas prefiro ao iphone :)

    ResponderEliminar
  5. Nunca comprei um iphone precisamente porque acho que eu e os iphones não funcionamos. Acho que o preço é super exagerado para a qualidade e A questão da bateria, da falta de espaço e das apps pagas não funcionam para mim. Comprei o meu primeiro smartphone este ano (eu sei, demorei) e escolhi um Xperia z3 que tem mais memória (possibilidade de colocar cartões de memória), a bateria dura mais, a câmara e o som são melhores, permite escolher o toque que quero, um um design muito parecido ao iphone e...custou-me menos 300 euros :) Dito isto, também sofro do medo constante de deixar cair o meu telemóvel e de o partir todo. Lá está, nem tudo é perfeito :P

    ResponderEliminar
  6. Eu nunca tive um iPhone, mas já fui das muitas que desejaria ter um. Mas de tanto mexer nos que existem entre o grupo de amigos e família, e de tanto ver maçãs por todo o lado, cheguei à conclusão de que o iPhone não é para mim. Para além de ser uma marca "egoísta" em termos de partilha de imagens, músicas, docs. (ex. a falta de Bluetooth) ou mesmo pela cobrança de certas apps na loja, e outros pontos, não é uma marca com que me identifique. E eu sou como tu, quando vejo que algo é utilizado por toda a gente, acaba por perder a piada. Resumindo, sou uma grande apoiante dos Androids. :P


    R.: Essa foi uma das melhores frases que eu já disse/escrevi, e fico feliz por ela te der dito alguma coisa. E acerca do filme. Embora não esteja à vontade com filmes do género, não posso descurar da tua opinião acerca dele. Assim que tiver um tempo, vejo-o.

    ResponderEliminar
  7. Sou fascinada com o meu e mais de metade dessa coisas já estão resolvidas!

    ResponderEliminar
  8. Eu passei de Android para Iphone e confesso que não quero outra coisa. O "seguir manadas" não me importa de todo, significa, na minha opinião, que as pessoas tiveram bom gosto. Não me privo de ter algo incrível só por sentir que é seguindo manadas, mas claro, são sempre sensações e opiniões diferentes.

    Não sei se é por termos modelos diferentes (eu tenho o 6 plus) mas há aqui coisas nas quais não me identifico de todo. O toque, escolhi um diferente dos milhões (adoro um que parece o tema da American Beauty, é tão giro e sexy), a memória faz-me lembrar a limpeza do telemóvel e adoro porque telemóvel com tralha e fotos a mais é um suplício para mim (e em todos os Androids que tive era sinal de bloqueio. Prefiro mil avisos para alargar memória que bloqueios inconvenientes e frustrantes), meti uma película de 2º vidro por descargo de consciência e o que acontecer aconteceu e passo as fotos para o computador através de uma app que envia pelo sinal de wi-fi (maravilha, maravilha). A música tenho pelo iMusic e como gosto de actualizar o meu iTunes acabo por actualizar o telemóvel também... A bateria deste Iphone foi estupidamente melhorada, sou brutalmente activa no telemóvel e dura-me um dia e meio... Se for daqueles dias em que pouco ou nada mexi, o meu Iphone (yes) dura 3 dias sem carregar, é tipo um Nokia!! As apps pagas não me fazem muita confusão, a edição também não e a eliminação de páginas secundárias faço eliminando três páginas de cada vez (metes o dedo em cada página e deslizas para cima ao mesmo tempo).

    Talvez realmente hajam perfis mais adeptos de Iphone, eu por acaso não quero outra coisa, acho que funciona muito bem e as outras questões que, tal como tu, não consegui resolver, não me incomodam quase nada ou compensam em relação aos casos infelizes que tive de Androids. Saí vencedora com o meu até agora (espero que a sorte dure xD)

    ResponderEliminar
  9. Eu sou a menina do android e sinto que é um sistema tão simples, contrariamente ao iPhone em que tudo são processos complexos...
    Gostei muito deste post, prendeste-me à leitura, e está muito engraçado :)

    http://amiudasempreaandar.blogspot.pt/ *

    ResponderEliminar
  10. Não sei o que isso é, sempre olhei para um Iphone como uma Utopia, apesar de achar que é um telemóvel estéticamente bonito e muito a cara das bloggers, mas económicamente falando, só podia comprar um android banal e comprei o meu Alcatel POP C7 na qual estou deveras satisfeita, o que me incomoda neste telemóvel é mesmo o armazenamento, quase não da para nada, fora isso impecável. Por isso, não consigo contra-argumentar-te se realmente é assim um Iphone, mas acredito piamente nos problemas que possa surgir com o seu uso.

    xoxo, Sofia Pinto
    Last Post ♥

    ResponderEliminar
  11. Nunca tive um iPhone e confesso que até tenho alguma curiosidade... No entanto, por enquanto, estou completamente satisfeita com o meu bichinho novo que é Android!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  12. Uma vez que também estou habituada ao sistema android e ao samsung, partilho da mesma opinião x)

    ResponderEliminar
  13. Sei que já não é útil para ti, visto que já não tens o iPhone, mas pode ser que seja útil para as pessoas que tinham o mesmo problema quanto à edição de texto. Se tu clicares simplesmente onde queres editar o texto, o cursor vai sempre para o início ou o fim da palavra, mas se tu clicares fixo onde queres, o cursor acaba por aparecer no meio da palavra, e até forma uma espécie de lupa (normalmente em cima) para que possas ver melhor onde tens o cursor porque normalmente o dedo fica à frente e depois poderias não saber se estás à direita ou à esquerda da letra que queres, ainda sem levantar o dedo podes posicionar o cursor movimentando o dedo para a esquerda, para a direita, para cima e para baixo.
    Beijinhos, e boas aventuras com o Samsung 😊

    ResponderEliminar

YOU are here. Thanks for that.

 
Designed by Beautifully Chaotic