6.3.16

COLLEGE | A Estagiária



Depois de dois estágios feitos no primeiro ano - um estágio de enfermagem realizado no hospital e outro estágio de medicina realizado no centro de saúde - , eis que chega este segundo estágio (e bem diferente) de centro de saúde. Foram 10 dias. Todos eles registados por mim, com o maior do detalhe, num bloco preto de páginas lisas, que comprei especialmente para estas duas semanas. 

Com a minha batinha bem passada a ferro, bloco novo, caneta dourada, estetoscópio recém-chegado e toda a motivação do mundo, eu estava preparada.



Confesso que falar de Medicina, por aqui, é-me ainda um bocadinho difícil. Tento, várias vezes, descrever aqui algum do meu percurso académico, porque grande parte da minha vida é reservada a ele. Mas a verdade é que a maior parte dos meus textos não publicados são mesmo acerca deste tema. E eu acho que sei porquê. Porque, normalmente, sinto que o texto não faz jus àquilo que vivi. Sinto que os meus olhos que tudo registaram, as mais caricatas histórias que contei aos meus pais e até as mil e uma coisas aleatórias que escrevi diariamente no meu bloco preto fazem mais sentido do que as que escrevo nesta caixa de texto.

Mas vou começar por dizer que Medicina me fascina. Seja no hospital, durante o semestre ou mesmo no centro de saúde. Em todas as situações, eu consigo dizer: sim, é isto que eu procuro que dê um sentido à minha vida. Aliás, já dá.

Neste estágio, muitos foram os temas que eu melhor conhecia, mais foram as perguntas que fiz - confesso-me uma estagiária muito perguntativa - , maior foi também o meu à vontade com o sítio em si, as pessoas que o preenchiam e, claro, o conseguir tirar o melhor proveito das coisas que pude fazer sozinha.

Se o ano passado achava que no centro de saúde não me iria sentir nada feliz, enquanto futura médica, este ano abro uma porta (ainda que pequenina) para essa hipótese. Não deixo de defender que o hospital é o sitio predileto para uma pessoa que aspira um bocadinho mais, como é o meu caso, por agora. Mas é no centro de saúde que também a magia acontece.

Os ingredientes certos para este estágio foram: a) um bom tutor, b) uma extrema curiosidade minha e c) uma grande vontade de ser útil.

Tinha como objetivo um trabalho final, que consistia em fazermos uma entrevista a um doente crónico e percebê-lo: percebê-lo no seu contexto, o que implicava caracterizar a sua família e fazer dela a sua história. Neste mesmo trabalho, pude fazer um genograma familiar (que adorei compor!) em que pude registar todas as patologias que o "meu" doente sofria e também doenças da família. Neste trabalho, consegui ver que a genética tem sim um poder enorme. Se já o sabia da teoria, pude ver finalmente - em formato de pessoas reais, vidas reais - a transmissão de uma doença cardiovascular entre os homens da família que estudei, por exemplo. Mas é engraçado que também estilos de vida se cruzem e se vão transmitindo de uma ponta da família à outra. À conta disto, percebi que todos esses homens tinham também desenvolvido vícios comuns, como é o caso do abuso do álcool. Fascinada. Fascinada é a palavra certa para estas coisas que só temos a oportunidade de fixar e de dar o devido valor quando nos colocam no papel de "analisador". Este trabalho, apesar de importante, é aquilo que menos insisto em levar comigo deste estágio.


Os 10 dias. Os horários. A postura. A pontualidade. O interesse. A motivação. A pesquisa que fazia, já depois do jantar, embrulhada na minha mantinha, dos casos do dia que queria explorar com maior detalhe. A minha primeira auscultação. As respostas certas às perguntas incertas. Estas sim são as coisas que quero que não me escapem, nem por nada. 

E ainda, ter o prazer de poder viver tudo isto, bem pertinho de casa, foi incrível. Acho que precisava disto, há muito. A realização de que amo aquilo que quero para mim como projeto de vida e, ainda, o poder concretizá-lo na melhor terra que conheço.

Aos "Menina, posso entrar?", aos "Que enfermeira fofinha", aos "É sua neta/filha, Dr.?", aos "Boa sorte, tudo de bom para si, sra.Dra.", um grande obrigada por terem feito parte de mais uma etapa especial.

Levo-vos comigo e nem sabem que vêm.

9 comentários:

  1. Não tenho dúvidas de que serás uma excelente médica! Só de ler o que escreves, é fácil perceber a tua paixão pela medicina, e gostar do que fazemos é meio caminho andado para o sucesso. São essas experiências que te irão auxiliar ainda mais a ser uma profissional fantástica. E foi muito bom ler o que escreveste sobre o estágio e perceber o entusiasmo que sentes e o quanto ele te marcou.
    Sentir que estamos no caminho certo é das melhores sensações :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Escrevi também um poste que publiquei hoje de manhã no meu cantinho sobre o meu estágio.
    Acho que talvez gostes de o ler :)

    Deverias escrever mais sobre as experiências que vives no teu curso!
    Fazem parte do crescimento!

    Quanto a dizeres que o hospital é o sítio predilecto para quem aspira um pouco mais, tenho que discordar. Os centros de saúde são cada vez mais a chave para que os cuidados sejam bem realizados. A triagem começa aí, e a inclusão na comunidade é maior. O papel de um profissional de saúde num centro de saúde não é sinônimo de pouca ambição. São parâmetros diferentes. Áreas diferentes. Não menores, do ponto de vista do conhecimento ou exigência científica.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Inês, estes teus relatos são tão deliciosos! Consegues sempre transportar-nos para o teu ambiente, para a tua vida, para as emoções que as situações despoletam em ti... :)
    Por muito difícil que seja, por favor escreve mais vezes sobre a tua paixão e as tuas vivências académicas/profissionais. É uma honra poder ler-te :)

    ResponderEliminar
  4. Que lindo Inês! Adorei este post! Partilha mais posts destes! :D
    Beijinhos querida

    ResponderEliminar
  5. Inês não te conheço mas tenho a certeza que vais ser uma excelente "Sra doutora" :) consegues transmitir-nos toda a tua paixão e todo o carinho que tens pela profissão que escolheste. Parabéns por isso, e não deixes de nos contar as tuas aventuras e as tuas conquistas, porque nós adoramos ler-te :) beijinhos

    ResponderEliminar
  6. São estes relatos que nos fazem conhecer os mais variados cursos, as mais variadas profissões, mas acima de tudo, as mais variadas realidades.
    É muito boa a forma como mostras o quanto gostas do que fazes e do que irás fazer!

    ResponderEliminar
  7. Juro que me vieram pequenas lágrimas aos olhos enquanto lia isto. Não há dinheiro no mundo que pague estes relatos e vermos as pessoas a fazer aquilo que realmente amam. Tu és tão genuína! Vais ser daquelas médicas raras que estão sempre preocupadas com os pacientes e que perguntam sempre se estão bem. Quase que posso imaginar, porque és mesmo uma pessoa bonita. Espero que no futuro sejas mesmo uma excelente médica e que não te deixes ir abaixo por uma coisa que mais tarde, verás como pequena ou insignificante. Beijinhos.

    Ana

    ResponderEliminar
  8. Que texto fabulástico! Não tenho grande interesse na área da saúde mas ler o teu relato foi incrível! fá-lo mais vezes!!

    ResponderEliminar
  9. Óhh, que lindo Inês :)) quase que vive esses teus 10 dias contigo, neste texto!
    Ainda bem que correu tudo bem e que gostas-te acima de tudo.
    Espero que tenhas mais experiências dessas! E de certeza que também estás no coração dessa gente. Uma pessoa especial como tu não passa indiferente na vida dessas outras pessoas com quem foste convivendo :))
    Beijinho grande <3

    ResponderEliminar

YOU are here. Thanks for that.

 
Designed by Beautifully Chaotic