19.7.16

/MY HEALTHY PATH.


Há muito que estava pronta para vos escrever sobre este assunto, mas ainda não sabia bem como pegar nele e torná-lo em algo útil de se ler. Hoje foi um dia em que me senti bastante inspirada a fazê-lo e por isso aqui estou! 

Quem é que aqui já não desejou ser um bocadinho mais magro ou um bocadão mais gordo ou então as duas coisas, em fases diferentes da vossa vida? É claro que a resposta será unânime. Todos nós já lutamos contra estas questões e, se não lutamos, talvez tenhamos sofrido com elas. 

A adolescência, por exemplo, é um período tão delicado neste sentido: todos os dias pensamos que devíamos ser mais assim e menos assim, há toda uma confusão de pensamentos e uma sensação de querermos mudar tudo em nós num ápice. E eu passei por isso, como é normal. Sempre tive umas coxinhas gordinhas, um rabo cheiinho e uma barriguinha. Tudo isso fazia parte de mim - e faz! - e eu nem sempre soube olhar para esses pormenores do ângulo correto. Hoje, venho aqui falar-vos disso mesmo: o olhar para nós de uma outra perspetiva.

1. Como o conceito "saúde" mudou para mim.
Para mim, ser saudável tem hoje muito menos que ver com o número na balança ou com a minha baby fat. Se há uns anos atrás, pensava que o "sentir-me bem com o meu corpo" era sinónimo de perder peso, hoje percebo que saúde é uma coisa bem mais complexa do que isso, que não só inclui o intuito de mantermos um equilíbrio entre o nosso aspeto e os nossos parâmetros fisiológicos, como tem que incluir a nossa saúde mental. Isto foi um ponto fulcral na minha vida. E, eu prometo-vos que a partir do momento em que perceberem isto, por vocês, todo o "regime" a que se submetem, seja para perder/ganhar peso, musculatura, etc... vai ficar bem mais fácil, vai ser como que parte das vossas rotinas.

2. Hábitos que mudaram.

Pequeno-almoço. Já não me consigo sentir humana se escapar a esta refeição. É a que faço com mais gosto. É também uma das poucas que eu própria confeciono e portanto tenho toda a liberdade de escolha para pôr coisas boas no meu prato, logo de manhã. E quanto à minha loucura por esta etapa do meu dia acho que já sabem quase tudo, é necessário, eu faço-o sempre e incentivo toda a gente a fazer o mesmo. 

Lanche. Fresco, energético e rápido de fazer. Ultimamente, tenho evitado os pães com queijo (que antes eram rotina) e foco-me na fruta (adoro pêssegos, pêra e banana para este snack a meio da tarde) e normalmente adiciono-os a um iogurte -  o mais natural possível, ou então uns muito bons da Mimosa, também eles frutados).

Almoço + Jantar. Estas refeições são normalmente preparadas pela minha mãe e ela é realmente uma excelente cozinheira. Há 20 anos sem razões de queixa! E se, por vezes, estas refeições se tornam bem mais pesadas, por ela ter uma mão bastante portuguesa para a cozinha, eu perdoo-a. Ela não exagera nos temperos, nem é muito repetitiva nos pratos que faz, por isso eu tolero que haja uma massa gratinada de quando em vez (a minha preferida!) ou um bacalhau à broa com batata à murro. São coisas boas que continuam a fazer sentido na minha vida, porque acho que merecemos treinar o nosso palato para diversos sabores. Psicologicamente, é-me favorável continuar a aceitar estes pratos da mamã.

No entanto, estou a revolucionar algumas coisas cá em casa. Aqui vai uma lista delas: - para o que saiu da minha dieta e + para o que entrou.



3. Os meus objetivos, enquanto pessoa mais saudável.

O meu objetivo principal não é, de todo, perder peso. Tenho um IMC completamente normal e vivo bem com a barriguinha. Não, não quero abdominais, nem pernas tijolo. Quero ser feliz. Quero sentir que respiro bem, que penso em mim, que me ofereço a qualidade de vida no prato, mas também no exercicío diário e, sobretudo, nos pensamentos (que devem ser positivos e motivadores!). No fundo, quero exercitar para limpar a mente e o corpo. Para me manter sã, consciente e bem disposta!

E se não acreditam nas vantagens terapêuticas do exercício, tenho-vos a dizer que estas semanas passadas fiz uns testes em mim própria. Durante dois dias consecutivos, fiz exercício, comi bem e saudavelmente e fiz questão de dormir 7/8h por dia, mesmo estando de férias, e estava bem disposta, sentia-me fisicamente leve e com energia para dar e vender. Além disso, o exercício corria às mil maravilhas e tinha cada vez mais facilidade em aumentar a potência do mesmo.
Durante outros dois dias, fiz tudo errado. Aproveitei o fim-de-semana para o fazer, que normalmente é cheio de coisas "boas" e doces! E senti-me sonolenta, pesada e apesar de continuar bem disposta, não me sentia motivada para fazer algo diferente, entendem? Espero ter passado a mensagem correta para esse lado!


4. O detox perfeito não vem em embalagens.
Hoje em dia, ouvimos muito falar de "toxinas", da emergência que é purificarmo-nos, livrarmo-nos delas! Eu acho que a palavra detox deve estar exausta de tanto uso que lhe é dado. E acho-a um exagero. Nós não precisamos de sumos e dietas que nos "removam" toxinas. Nós próprios somos capazes de o fazer. E retirando-me um bocadinho do campo "físico", que acho que já é explorado o bastante, já pararam para pensar que o detox que precisam realmente pode não ser de alimentos que ingeriram mas sim de pessoas que conhecem, ou de mentalidades que já não fazem sentido? Pensem comigo. Pensem. Assim como precisamos de introduzir nutrientes à nossa dieta, também precisamos de adicionar boas influências, passem elas por uma amiga genuinamente sincera convosco, um belo documentário, uma boa playlist, um passeio à beira mar, um amor pacífico, ... Há tanta coisa que devemos mudar (ou manter, se forem realmente estimulantes para nós) antes daquilo que está no frigorífico. 

Isto foi tudo aquilo que aprendi desde que iniciei este mote de Vou ser uma pessoa mais saudável! e assim como sou constantemente inspirada por pessoas que pensam nestas coisas, espero realmente que ler isto tenha mexido - nem que seja um fiinho de cabelo - convosco. Não somos só um corpo!

15 comentários:

  1. gostei muito deste post ;) é importante termos uma vida saudavel, para sermos saudaveis ;)
    beijinho
    the-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Aplaudo-te a coragem de falares de algo que talvez te tenha importunado no passado e agradeço-te pela preocupação de partilhares ensinamentos tão essenciais! Confesso ter-me reconhecido como uma pessoa obcecada com a perda de peso, mesmo que na altura não o admitisse, mas de uns tempos para cá tenho-me cultivado para o lado positivo, e sim, tens toda a razão quando a afirmas a diferença que faz associarmos estas mudanças à saúde! Quando me apercebi de que eu queria perder peso por questões de saúde e não pela estética, a aceitação foi tão boa e tão genuína, que se torna impossível não me sentir feliz com isso! Passei a adorar fazer exercício e subscrevo tudo o que referiste nesse ponto. O exercitar é poderosíssimo!
    O importante mesmo é sermos felizes com aquilo que somos e tentarmos melhorar a pessoa que somos, fazendo sim uma detox geral, não só ao frigorífico!

    Muito obrigada, a sério. Nem sabes o bem que me fez ler esta publicação! Beijinhos Inês! <3

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu amor vai para este comentário, Carolayne.

      Obrigada por seres tão amorosa como inspiradora quando me inscreves. Obrigada mesmo!

      Eliminar
    2. P.S: As tuas fotos estão cada vez melhores!

      Eliminar
    3. Eu é que agradeço por contribuíres para o meu poço de inspiração! És fantástica! <3

      Oh, muito obrigada! :')

      Eliminar
  3. Que inspirador! Não podias ter abordado o tema de melhor maneira e de forma mais genuína! Keep going, Inês!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Leonor! Todas vocês são inspirações diárias para mim, fico feliz que hoje tenha sido isso para vocês. Um grande beijo

      Eliminar
  4. É inspirador ler algo assim. Hoje em dia por quereres comer algo mais saudável (eu também retirei refrigerantes e alimentos com alto teor de açúcar e sal da minha dieta) já acham que estás "com a mania das dietas." Não. Concordo plenamente contigo, ser saudável é um equilíbrio que cada um tem de encontrar, parabéns pela tua jornada e obrigada por partilhares connosco !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada eu, e não te esqueças de partilhar mais sobre a tua jornada, é bom saber que não estamos sozinhos ;)

      Eliminar
  5. Um dos melhores detoxs de sempre é ler o teu blog! Sempre com imagens maravilhosas, frases inspiradoras e motivacionais e textos positivos! :)

    ResponderEliminar
  6. obrigada pelo comentário <3
    adorei este post! sem dúvida que ter hábitos saudáveis é super importante e adorei saber como tem sido o ter percurso :D

    www.pinkie-love-forever.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. Adorei este texto. Concordo com cada palavra. Há dois anos estive extremamente mal, podia ter sido muito pior, é verdade, porém, era perfeitamente evitável se me tivesse apercebido mais cedo de tudo o que disseste hoje: O importante é termos saúde.
    Hoje sei isso e sinto-me mil vezes mais feliz. Tenho a minha alimentação, o meu estilo de vida, energia até acabar o dia e calma! Agora permito-me fazer asneiritas (dentro dos meus padrões alimentícios) e tenho uma boa relação com os alimentos.
    É bom percebermos isto, não só por nós ou pelo nosso corpo, mas também pelos outros, para estarmos disponíveis para dar o exemplo!!!

    ResponderEliminar
  8. Tanta inspiração nesta publicação! Adoro! (:
    O final diz tudo: «Não somos só um corpo» e eu sempre tive a noção disso, felizmente. Desde os meus 4/5 anos que era magrinha mas nunca me importei muito com isso. Era saudável, que era o mais importante, e, apesar de tudo, tinha umas boas pernas - que sempre foram a minha parte favorita do corpo. Se comia de forma mais ou menos saudável, se praticava exercício físico e se era feliz e não tinha problemas de saúde devido ao IMC baixo... então não tinha de me preocupar nem os comentários alheios me apoquentariam!
    Recentemente, engordei e atingi um IMC e um peso mais aceitáveis. Acho que isto teve por base um aumento do apetite da minha parte, uma maior estabilidade emocional e um aumento da prática de desporto (já que me inscrevi no ginásio). A celulite aumentou, se calhar a minha barriga não está tão lisa quanto antes mas nunca estive mais contente com o meu corpo e com a minha saúde. E é tão bom sentir-me assim!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  9. Sei que devo estar em minoria, mas nunca desejei ser mais magra ou mais gorda. Sempre fui magrinha e, mesmo quando era gozada no ensino básico e chamada de "esquelética", eu não ligava. Gostava mesmo, e continuo a gostar. A diferença é que em criança e adolescente não tinha que ter nenhum cuidado para me manter magra e hoje tenho algum.

    Tal como tu, dou muito valor à saúde e revejo-me em diversos pontos. Já fui viciada em Coca-Cola mas decidi eliminá-la da minha dieta e hoje, mesmo se for comer um veggie burguer a um restaurante fast-food não penso sequer em pedir uma Coca-Cola, é sempre água. É incrível o poder dos hábitos.

    Coco ralado e cacau em pó estão sempre presentes nos meus smoothies/gelados de fruta diários :)

    Kill Your Barbies

    ResponderEliminar
  10. Excelente post :)
    Passei pelas duas fases já. Numa fase emagreci de tal forma que tive princípios de anorexia, tive imensa sorte por ter a minha família e os meus amigos em cima de mim. Engordei, ou seja, voltei ao meu peso normal. Hoje tenho alguns dos teus cuidados :)

    ResponderEliminar

YOU are here. Thanks for that.

 
Designed by Beautifully Chaotic